quinta-feira, 5 de julho de 2012

Sentando Sozinho


Dizer que dá para viver sem expectativas é mito. E diante de tantas coisas que ouvimos por mais que saibamos que tudo vai acontecer ao seu tempo também é difícil. No decorrer desses 09 meses de Bernardo e Guilherme as comparações são inevitáveis, hoje superamos essa fase, ou melhor, esse posicionamento, afinal, quantas crianças sem deficiência sentam após o sexto mês de vida por exemplo e andam aos quase dois anos? Pois é, o Gui não seria o primeiro.
De qualquer modo a palavra ATRASO persegue o indivíduo que tem Síndrome de Down. Todos os especialistas repetem essa bendita palavrinha. Beleza, mas meus filhos começaram a ser estimulados quando ainda habitavam meu ventre. Cantávamos para eles, colocávamos música para eles ouvirem, contávamos histórias, apresentávamos as coisas que comprávamos, os detalhes do quartinho, tudo, tudo e sem nem saber que o Gui teria Down. Eis que nascem e Gui tá lá com seus olhinhos puxados e apenas uma preguinha nas mãos. Aí ouvimos as memoráveis vozes da sabedoria: seu bebê será molinho, seu bebê não terá o mesmo desenvolvimento das demais crianças, seu bebê irá sentar lá pelos 2 anos, andar com 3, falar? Hummm, vamos esperar! Façam-me o favor senhores "istas", olhem para crianças com Down, como crianças que precisarão de uma mãozinha a mais para se desenvolverem.

E Guilherme aos 3 meses inicia um idioma do planeta dos bebês, aos 4 meses começa o processo de sentar e já senta com auxílio, aos 6 meses esta mais durinho e senta na cadeirinha de alimentação numa boa e aos nove sai de barriga no chão e SENTA(19/06/2012), e já começa a querer ficar de pé, e se inclina na cadeira de balanço e quer praticamente fugir do bebê conforto e realiza em parte essa fuga soltando os bracinhos do cinto de segurança. E senta com seu livrinho predileto no colo. Ufa! Ele não iria fazer o que mesmo? O Bernardo, meu príncipe desbravador, dispara em movimentos mais ágeis e é mais agoniado para tudo, mas peraí, você que tem mais de um filho, todos os seus filhos tem o mesmo modo de desenvolvimento? A mesma perspicácia para realizar certas tarefas? Porque entre eu e meus irmãos existiu sempre inúmeras diferenças de desenvolvimento. E isso gente é vida, se tudo fosse igual seria inércia, seria sem graça, sem viço.

Sentar, como é bom sentar, como é lindo sentar, mas melhor ainda será andar.

Nosso Bernardo já iniciou essa

aventura(22/06/2012). Coisa mais linda de se ver, um cotoco de gente se equilibrando.

E o Gui vai em seu ritmo desbravando tudo o que as pessoas e o senso comum e muitas vezes o cientifico, trazem como verdade absoluta.

Senta meu filho, é lindo demais ver você assim.

11 comentários:

  1. Mais uma vez me emociono com suas palavras Lynne!Vc está certíssima e cada dia ele,Gui,mostrará que pode sim e sabe porquê?Poque ele tem pais que acreditam nele,independente de qualquer síndrome.Parabéns mais ma vez!E quero saber mais novidades desses dois príncipes por aqui viu?Bjssss
    Paty Lobão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Patrícia, cada criança se desenvolve de uma forma e a natureza é muito sábia, Obrigado por acompanhar o blog.
      Abraço.

      Murillo

      Excluir
  2. O amor dos pais é a força maior que conduz o desenvolvimentos dos seus filhos, principalmente enquanto pequeninos. É admiravel, super admirável, o amor que Alynne e Murillo dedicam aos seus bebês. Muito interessante o seu post, Lynne. Quero acrescentar que vejo na história do Gui um grande diferencial, pois ele nasceu no meio mais perfeito para o seu desenvolvimento. Nao haveria outro casal que o recebesse de Deus com tanto amor e sabedoria. A percepcao que tenho é de que, mesmo antes da gestação, voces ja sabiam como lidar e ja guardavam experiencias no assunto. Tenho certeza que o Gui sairá sempre na frente ao ser comparado a outros bebês especiais e calará muitas dessas vozes citadas no post. Eu, como amigona e tia babona, parabenizo Lynne e Mumu pelos belos exemplos de familia, dedicação e amor. Se tem alguem no mundo, alem de vcs, que desejava tanto a chegada desses meninos... esse alguem sou EU! rsrs.. Grande abraço, Raquel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Raquel, recebemos muito apoio de amigos, você sempre foi uma pessoa muito especial na nossa vida e de nossos filhos.
      Obrigado por tudo.
      Bj.
      Murillo Oliveira

      Excluir
  3. Dizem que para ser inovador e destacar-se na multidão positivamente uma pessoa tem que ser diferente. Como costumo dizer, para as mães dos pacientes que já atendi com Síndrome de Down, o vosso filho nasceu com o "factor D", D de diferente, de inspirador e único. Por que não trocar o termo defeito, por efeito D? Pois essas fascinantes crianças, nos contagiam com um efeito especial, o efeito da descoberta, da dedicação e da desmistificação. Com certeza assim é o Gui, uma criança que veio o mundo com uma estrelinha a brilhar, espalhando o efeito D por onde passa.

    Um beijinho luso-brasileiro de seu amigo de infância, que há muito não te ver mas que espera, breve-breve, conhecer a sua nova ou ampliada família ;)

    Renaldo Aragão, ou simplesmente Júnior ;)

    ResponderExcluir
  4. Nossa Junior que lindo, vamos espalhar o Efeito D viu, bj grande e até breve!

    ResponderExcluir
  5. Adorei o que você disse... Tenho uma filha... Laurinha, com a síndrome de down... Também escuto, molinha... vai demorar, não vai mamar... Eu não acredito em nada!!!!! Ela é tão ativa, que não dá para acreditar que vai ser assim tudo devagarinho, mama e agarra em tudo com uma força... Infelizmente apesar as crianças ficaram com um estigma que tá difícil de ser mudado...

    ResponderExcluir
  6. Adorei o que você escreveu, infelizmente existe um estigma, acreditando que sempre os portadores de síndrome de Down serão atrasados... Não... Gostaria também que os médicos repensassem e prestassem mais atenção... Alguns claro que tem mais atrasos... Mas outros só levam consigo a inocência e a dopçura da ingenuidade, não tem a esperteza da maldade... Não assimilam isso... Mas quanto ao desenvolvimento, serão praticamente como as outras crianças...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oi Simone, concordo totalmente, as pessoas falam uma coisa e vemos outra. Tudo depende da criança e dos estímulos que os pais podem proporcionar. Quer contar sua história para publicar no blog? Entre em contato: down@meufilhotemdown.com
      Abraço,
      Murillo Oliveira

      Excluir
  7. Aline boa noite, eu tenho um netinho co dowom, ele tem 6meses e se chama Miguel. Ele esta com um problema respiratório muito grave e precisa de um lugar para fazer um tratamento, minha filha esta perdida.Você tem como me passar o endereço do lugar onde Romário tem um lugar para ajudar as mães lidar com o desenvolvimento deles.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, favor entrar em contato pelo email murillo@meufilhotemdown.com e enviar uma forma de contato, vc deixou o comentário como anônimo, não tenho como identificar para auxiliar. Mande email com seus contatos, principalmente se tiver whatsapp. Abraço espero poder ajudar.

      Excluir