quarta-feira, 23 de maio de 2012

Emoção em dose dupla e uma pitada a mais de amor!

Olá. Eu poderia começar esse post discorrendo sobre a magia da gestação, a felicidade em ser mãe/pai, enfim, tudo o que quem é pai ou mãe já sentiu. Mas, prefiro falar sobre algo maior, sobre um misto de sentimentos, sobre um amor que dói, que corrói e que ao mesmo tempo nos mostra que existe um ser, uma energia, um Deus, que nos coloca à prova, que nos coloca de frente com o que realmente somos.

Receber um filho com Down te vira do avesso, afinal, é o inesperado. Vocês (pai/mãe) passaram parte da vida e da gestação imaginando com quem o bebê iria parecer, qual a cor dos seus olhos, como seriam os seus cabelos; o que ele (a) vai ser quando crescer? será que ele vai se formar, seguir carreira? vai casar? vai nos dar netos? Ah, chega de pensar no futuro ora, só quero que meu filho (a) seja feliz. Tá, ok, isso é ótimo, se não fosse a surpresa indesejada.

Meu filho tem Down, o quê, Seu filho tem Down, o meu não. Eu via isso na rua, no vizinho, nas novelas, nos livros, sempre achei bonitinho, mas peraí, na minha vida não.

Nossa, quanta coisa ruim vem a nossa cabeça não é? Calma, tudo isso passa. Depois do choque, a vida real, você tem um bebê indefeso que como qualquer outro precisa ser amado, alimentado, higienizado, coisas naturais, coisas da vida.

Ai, ai, a vida, mistura de sabores, horas doce, horas amarga, independente do filho (a) que se tem.

Olha o ser humano, nós adoramos reclamar: se faz muito sol reclamamos do calor, se chove é o frio que incomoda. Se temos carro, que trânsito chato; se não temos, ô condução apertada. E assim, a gente sempre vai se queixando.

Um filho, seja como for, é presente, o mais caro e raro, é único (mesmo que tenham 10, cada um será um). Ao olhar aqueles olhinhos puxados, aquelas mãozinhas pequenininhas e gorduxas, aqueles cabelinhos arrepiados, quanto amor. Por um instante é só você e ele, veja bem, eu disse ele, o bebê, seu filho. Não disse Síndrome de Down.

É isso, tudo irá depender do nosso olhar. Ao passar o turbilhão da notícia, espere, chore, respire bem fundo e sinta, sinta a leoa que desperta, o amor incondicional que surge, o desejo de nunca mais sair de perto desse bebezinho, que vai crescer e crescer e crescer como qualquer outro ser humano e que um dia lhe dará os frutos do amor que a ele foi dispensado.

Meu filho tem Down, e agora? agora, vamos todos viver. Meu filho tem Síndrome de Down, meu filho é Guilherme, irmão gêmeo de Bernardo, nossos filhos, nossos maiores e mais esperados presentes. As criaturas por quem vivemos, por quem respiramos. Por quem transbordamos de amor, durante as 24h do dia.

14 comentários:

  1. Em primeiro lugar, parabéns pelos seus filhos, são muito lindos!
    Em segundo lugar, parabéns pelo amor e pela força que vocês emanam e demonstram através dos posts e do podcast!
    Vamos seguir juntos pela luta da inclusão dos nossos pequenos na sociedade, sem preconceito!
    Um abraço grande,
    Camila, Flavio, Logan e Max
    www.avidacomlogan.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Camila,Flávio,Logan e Max,primeiro muito obrigada por aprovarem nossa iniciativa e compreender o nosso objetivo. Somos muito felizes por fazermos parte desse universo tratando a vida do jeito qu ela merece ser vivida, afinal acreditamos que é possível um mundo menos preconceituoso,onde as pessoas possam viver suas diferenças

      Excluir
  2. Aline e Murilo, fiquei muito emocionada com o blog... que lição de amor! Não deixem de postar, vou sempre acompanhar! Muita luz para todos vocês :-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kadydja nós é que estamos muito emocionados com tantas manifestações de carinho. Acreditamos que quando espalhamos luz o reflexo disso tudo é o amor sim,por isso sem medida desde que nossos gêmeos nasceram fizemos questão de compartilhar nossa felicidade com todos e tentar através dessas manifestações desmistificar preconceitos compartilhando um pouco do que estamos vivendo dessa experiência perfeita de sermos pais desses príncipes lindos!Bjs

      Excluir
  3. Olá!

    Adorei o blog e estarei acompanhando sempre!
    É tão bom encontrar pessoas que compartilham conosco essas experiencias, que mesmo sendo dificil em alguns momentos, são maravilhosas!

    Minha filha tem Sindrome de Down e como vcs descobri somente depois do nascimento.. e tudo o que descreveu do impacto inicial é exatamente o que eu tambem passei...

    Obrigada por compartilhar.. eu tbm tenho um blog..

    www.umatulipanomeujardim.blogspot.com

    Vamos manter contato.. é tão bom trocar experiecias!

    Deus abencoe voces!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luana, vimo seu Blog, é lindo, sua filha é uma Benção.
      Vamos juntos mostrar o quando nossos filhos nos apaixonam com seu olhar. Tirar o mito e o preconceito relacionado a Crianças com Down.
      Estou colocando seu Blog nos Favoritos.
      Grande Abraço

      Murillo e Alynne

      Excluir
  4. Murillo e Alynne, parabéns pela iniciativa, parabéns pela família linda! Me emocionei ao ler este post e vou continuar acompanhando. Bjs Le.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Letícia, um grande beijo.
      Murillo

      Excluir
  5. Alynne, como eu precisava ler o conteúdo deste blog. Eu moro no Rio de Janeiro, e no dia 7 de agosto de 2012 nasceu nossa pequena Cecília, e para nossa surpresa, logo após o parto veio a noticia de que ela tem sindrome de down...os exames nao acusaram nada no pre-natal.
    O choque foi grande, mas veio a aceitação e o amor transcende os limites da força e da razao! vcs ilustram aqui exatamente o que eu e meu marido sentimos...sentimos vontade de ficar grudados nela e nunca mais largar!
    Mas tenho estado me fazendo de forte, pq tenho que ser, porém, com muitos medos. Medos de tantos exames que ela precisa fazer, medo dos resultados...olho pra ela e a vejo perfeita!!!! Ela é perfeita para nós!!!
    Já iniciamos o acompanhamento dela com uma geneticista do Instituto Fernandes Figueira, aqui no Rio, e ela pediu vários exames. Estou com medo, muito medo do novo, do desconhecido..medo que algo esteja errado, medo de errar, de nao dar conta...choro escondida, choro para não verem...
    Obrigada por este lugar aqui, estou me sentindo um pouco mais confortada com os relatos de vcs!
    Parabéns pois seus filhos são lindos!
    A Cecília só tem 20 dias e uma vida toda pra viver...que Deus em sua misericórdia, lhe dê saúde para crescer e desenvolver...
    Beijos, obrigada, e parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, mandei a resposta para seu e-mail do outro comentário. Com certeza sua Cecília é uma criança linda e vai ser muito saudável, Deus há de permitir. Obrigado pelo carinho e pelo lindo depoimento.

      Excluir
  6. Alynne, como eu precisava ler o conteúdo deste blog. Eu moro no Rio de Janeiro, e no dia 7 de agosto de 2012 nasceu nossa pequena Cecília, e para nossa surpresa, logo após o parto veio a noticia de que ela tem sindrome de down...os exames nao acusaram nada no pre-natal.
    O choque foi grande, mas veio a aceitação e o amor transcende os limites da força e da razao! vcs ilustram aqui exatamente o que eu e meu marido sentimos...sentimos vontade de ficar grudados nela e nunca mais largar!
    Mas tenho estado me fazendo de forte, pq tenho que ser, porém, com muitos medos. Medos de tantos exames que ela precisa fazer, medo dos resultados...olho pra ela e a vejo perfeita!!!! Ela é perfeita para nós!!!
    Já iniciamos o acompanhamento dela com uma geneticista do Instituto Fernandes Figueira, aqui no Rio, e ela pediu vários exames. Estou com medo, muito medo do novo, do desconhecido..medo que algo esteja errado, medo de errar, de nao dar conta...choro escondida, choro para não verem...
    Obrigada por este lugar aqui, estou me sentindo um pouco mais confortada com os relatos de vcs!
    Parabéns pois seus filhos são lindos!
    A Cecília só tem 20 dias e uma vida toda pra viver...que Deus em sua misericórdia, lhe dê saúde para crescer e desenvolver...
    Beijos, obrigada, e parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Tudo que vcs relatam e tudo que eu sinto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Amor e o sentimento universal. Obrigado por nos relatar.
      Grande abraço.

      Excluir
  8. Lindo esse blog, esse relato e o mais lindo é o amor. Emocionada com esse lindo relato de uma mãe. Parabéns! Não sou mãe, espero ser, e sentir a grandeza desse amor, e alegria de receber o presente divino que é ter um filho, seja gerado ou não por mim. Digo sempre que só é mãe quem sabe amar! Dúvidas, incertezas, fazem parte desse "pacote" que as mães recebem junto com o presente. Espaços como esse são de extrema importância para debater eum canal que nos possibilita aprender. 👏👏👏👏

    ResponderExcluir